jul 3, 2019
staff

Parque Naciona de Komodo

ko1

A última aventura foi das mais especiais! Sou daquelas que adora assistir aqueles programas sobre animais e não dispenso uma trip em que eles sejam o protagonistas. Fui a Galápagos ver as tartarugas gigantes e pássaros de pata azul, para o Sri Lanka ver os elefantes, para Austrália ver os coalas e cangurus, as baleias no Thaiti e por aí a fora.. Sempre avistando os animais em seu habitat naturais  – nada de jaulas e privações…

O que me levou ao Parque Nacional de Komodo, claro, foram os dragões, mas o que eu não imaginava é que iria encontrar um arquipélago super preservado, com centenas de praias desertas, ilhas com visual incrível, mar azul turquesa e vida marinha abundante.

A proposta desta viagem veio de encontro com a ação da Liga das mulheres pelos Oceanos. Movimento em rede da qual faço parte do conselho e que reúne mulheres de diferentes segmentos como jornalistas, fotógrafas, atletas e gestoras ambientais mas todas com uma profunda conexão com os oceanos e com um forte senso de urgência. No dia 8 de junho – Dia Internacional do Oceanos, estaria no parque Nacional de Komodo fazendo uma iniciativa (pessoal) de limpeza de uma praia deserta como parte das ações da data comemorativa e da Liga.

Komodo foi uma belíssima surpresa! A ilha de chegada “Flores” é o ponto de partida para viagens embarcados para conhecer o arquipélago. Há quem fique nesta ilha e faça passeios de apenas um dia, mas fica um pouco cansativo e não tem aquele clima de aventura, pois a emoção de ficar embarcado explorando diversas ilhas desertas, é único! São 3 ilhas principais: Padar, Komodo e Rinca. Os dragões podem ser vistos em 2 delas, Komodo e Rinca. Vale lembrar que a ilha de Komodo será fechada em janeiro de 2020. Esta foi uma decisão de governo local para preservar os animais e equilibrar seu ecossistema. Tal decisão ocorreu logo após cerca de 10 pessoas serem detidas com suspeita de traficar mais de 30 dragões, uma vez que na Ásia acredita-se que seu sangue tenha usos medicinais alternativos. Portanto quis aproveitar a oportunidade de ver este animais pré-históricos e tão ferozes de perto e em seu habitat natural. A experiência é incrível uma vez que você visita a ilha sem ter a certeza que irá ver os animais. Você entra literalmente na casa deles e vai percorrendo trilhas pela ilha com a expectativa de encontrá-los. Os turistas são divididos em grupos pequenos e temos que seguir todas as orientações do guia e nunca ficar sozinho na trilha, se um para todos param.

Se você for no meu perfil no Instagran (@robertaborsari_sup) vai ver os detalhes desta visita e mais fotos como esta abaixo:

ko3

A ilha de Padar com suas praias de cores diferentes é uma dar atrações do arquipélago. Pernoitamos em uma de suas baias e antes do sol nascer saímos em uma caminhada até uma posição onde é possível ter a vista da foto abaixo e apreciar as 3 praias com areias com cores branca, preta e rosa. A areia branca é a que já conhecemos, a preta de origem vulcânica e a rosa vem de um coral vermelho e dissolvido e misturado com a areia branca fica essa maravilha da natureza. Ah mas fique atendo, se vc der uma busca no Google, vai ver muita foto de das “pink beaches” super forçadas no fotoshop (software de editoração de imagem)

ko2

 

pinkbeach

Bom, esta é apenas uma prévia de tudo que vivi neste lugar maravilhoso…aos pouco irei contando mais detalhes desta aventura ; )

 

Deixe um comentário

SUP